Dia da Mulher é marcado por greve na Espanha e protestos em vários países

O Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta sexta-feira (8), teve protestos para pedir direitos iguais e respeito em vários países.


Na Espanha, as mulheres organizaram a segunda greve geral feminista para pedir igualdade salarial. A paralisação atinge vários setores para mostrar a importância deste grupo para a força de trabalho do país e refletir sobre conquistas e lutas das mulheres.


A paralisação é respaldada pela Justiça e pelos sindicatos, ou seja, as trabalhadoras de setores, como a educação, cuidados e consumo, têm o direito de fazer greve sem serem penalizadas, de acordo com a RFI. Embora tenham sido afetados pela paralisação, a maioria dos setores não parou.
Aulas foram canceladas em universidades. Em ao menos duas das principais redes de televisão, além de jornais e estações de rádio, a adesão das mulheres foi total, e apenas homens apresentam programas e trabalham na produção.


Em 2018, milhões de mulheres aderiram e fizeram da greve a maior manifestação no mundo pelo dia 8 de Março.


Neste ano, as celebrações ocorrem em meio à campanha para as eleições gerais no país, adiantadas pelo governo espanhol depois que o chefe do governo, o socialista Pedro Sánchez, não ter apoio da maioria do Parlamento para aprovar o Orçamento.


Em Israel, integrantes do movimento progressista “Mulheres do Muro” convocaram uma manifestação no Muro das Lamentações, local sagrado para os judeus, na Cidade Velha de Jerusalém.


O ato foi interrompido por organizações ultra-ortodoxas femininas, que obrigaram as feministas a se deslocarem para um outro ponto do muro depois que duas de suas integrantes ficaram feridas, de acordo com o relato da organização ao jornal “Times of Israel”. A polícia não confirmou que as ultra-ortodoxas usaram violência contra as progressistas.